T-Cross surpreende como líder em vendas, mas não escapa do recall

 
Uma surpresa para os apaixonados por carros é que o T-Cross passou da 15ª colocação em vendas em junho para a 1ª posição no mês de julho e, com ele, a Volkswagen voltar a ocupar o topo como a marca mais vendida. Mas nem mesmo o líder em vendas não escapou do chamado para recall esse mês.
 
As montadoras continuam fazendo recall durante a pandemia. Depois de 18 montadoras realizarem 34 campanhas envolvendo 85 modelos únicos no primeiro semestre, em julho houve 9 chamamentos envolvendo 8 montadoras e 18 modelos, segundo levantamento realizado pelo aplicativo Papa Recall, que alerta o motorista se o automóvel cadastrado teve algum defeito de fabricação.
A tabela abaixo mostra os veículos envolvidos e os problemas detectados:
  1. Volkswagen T-Cross (2019 e 2020) – suspensão dianteira
  2. Volvo S60 e XC 60 – cintos de segurança
  3. Toyota Prius (2014 e 2015) – reprogramação no módulo de controle do sistema híbrido
  4. Honda Civic Touring, Accord e HR-V Touring – sistema de combustível
  5. Audi A5 (2018) – gerador de partida
  6. BMW Z4 M40i e Z4 SDrive 30i (2019) – barras de direção
  7. Mercedes-Benz S 560 (2017 e 2018) – bujão de vedação do óleo
  8. Chevrolet Classic e Celta – sistema de airbag
  9. BMW 323Ci, 323i, 328Ci, 328i e 330i (1998 a 2000) – sistema de airbag / ação complementar
O airbag permanece sendo o problema mais recorrente. Desta vez, envolve sete modelos diferentes, sendo dois da Chevrolet e cinco da BMW. No primeiro semestre, o equipamento já havia sido um dos alvos de quatro campanhas chamadas pela montadora alemã. Em 2019, dos 107 recalls realizados, o airbag foi alvo de 25.
 
Para o CEO do Papa Recall, Vinícius Melo, o fato de as empresas continuarem fazendo as campanhas durante a pandemia mostra a importância de atender ao chamado. “Fazer o recall é uma segurança para o proprietário, familiares e terceiros. Os problemas detectados sempre são um risco para os ocupantes e terceiros”, diz ele.
 
Todo recall é gratuito. E não importa se o carro já saiu da garantia ou se o proprietário não faz mais as revisões na rede de concessionárias autorizadas.
 
Compartilhe