Etanol deve ganhar mais popularidade no Brasil, segundo pesquisa

 
De acordo com os índices de consumo do Inmetro, o carro popular eleito o mais econômico de 2018 conseguia percorrer cerca de 19 quilômetros com apenas um litro de gasolina. A partir de agora, com a nova gasolina produzida pela Petrobras os veículos deverão ter um rendimento até 4% maior.
 
A redução do consumo de combustível é uma das principais metas do programa Rota 2030, criado pelo Governo Federal para suceder o Inovar-Auto, encerrado em dezembro de 2017. A intenção é fazer com que os veículos emitam menos gases de efeito estufa, atendendo ao acordo realizado na 21ª Conferência das Partes (ou "COP") da Convenção-Quatro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).
 
Outro benefício que a nova gasolina pode provocar de forma indireta, é a preferência pelo etanol, combustível renovável que muitas vezes não é utilizado por ser mais caro. Agora, seu valor estará mais baixo em relação à gasolina a ser encontrada nos postos de abastecimento.
 
Produção de etanol
 
O Brasil era o maior produtor de etanol, mas atualmente os Estados Unidos assumiram essa colocação. Isso acontece porque a frota norte-americana é muito maior e o governo oferece subsídios para incentivar a produção do combustível. 
 
No Brasil, houve subsídios à produção de etanol por muitos anos, mas com o desenvolvimento da tecnologia e redução dos custos de produção, esse subsídio tornou-se desnecessário. As usinas são lucrativas com os valores atuais. 
 
O ideal seria trocar a oferta de subsídios por incentivo à pesquisa para aumento de produtividade e redução de custos. Por exemplo, tornar economicamente viável a produção de etanol a partir do bagaço da cana ou qualquer outro tipo de celulose, pode duplicar a produção de etanol com a mesma área cultivada.
 
Em relação ao Biodiesel, estamos na liderança. Fomos mais uma vez pioneiros. O teor de biodiesel adicionado ao diesel começou com 1% em 2018, atualmente é 12% e chegará a 15% em 1º de março de 2023, conforme a Resolução CNPE nº 16, de 29 de outubro de 2018 e o Despacho ANP nº 621, de 06 de agosto de 2019. O biodiesel adicionado na refinaria possibilita redução da importação de aditivo para aumento do Número de Cetano e facilita o processo de separação do enxofre.
 
No Brasil temos produção de Biogás a partir do lixo, dejetos de suínos e outros resíduos orgânicos acionando grupos geradores, em substituição ao diesel e gás natural. Há um enorme campo para pesquisas e utilização em motores estacionários. É possível produzir o Biometano a partir do Biogás para utilização em veículos a GNV – gás natural veicular, mas o preço não é competitivo atualmente. 
 
Ou seja, temos um cenário rico em possibilidades de combustíveis menos agressivos ao meio ambiente, mas ainda temos um caminho longo a percorrer até que todas as opções sejam viabilizadas de maneira acessível para o consumidor final.
 
* Silvio Shizuo é professor do departamento de Engenharia Mecânica do Centro Universitário FEI.
 
Compartilhe