Importante: PROD orienta sobre a utilização de aditivos em motores GDI

Muito se fala em novas tecnologias para motores, em modernização e alternativas para a combustão aliados a menos emissões de poluentes. Mas efetivamente o que já temos no mercado? Atualmente, muitos estudos apontam para uma tendência cada vez mais popularizada na fabricação de um dos principais conjuntos que compõem o veículo: o “downsizing” dos motores, que significa produzir motores com componentes de menor tamanho físico, mas sem perder sua capacidade de potência, torque e eficiência. É o caso dos motores três cilindros. Mas como isso seria possível, uma vez que o conceito enraizado na maioria das culturas automotivas diz que mais cilindros e motores maiores representam melhor desempenho?

Um dos exemplos que podemos citar, é a tecnologia GDI, da sigla em inglês “Gasoline Direct Injection” e traduzindo, Injeção Direta de Combustível. Já ouviu falar?

Se estiver antenado com as novidades do mundo automotivo, com certeza sim, mas se não, explicamos: nesse sistema, a precisão da injeção do combustível é maior, pois ele é injetado diretamente em alta pressão (acima de 100 bar) na câmara de combustão, com o ar entrando pelos coletores de admissão e válvulas, resultando em uma queima mais completa e eficiente do combustível, permitindo um melhor aproveitamento da energia produzida, facilitando a atuação do motor e diminuindo o consumo e a emissão de dióxido de carbono (CO2), prejudicial para a nossa saúde e para o meio ambiente. Tudo isso, produzindo a mesma potência, podendo ser considerado como o grande futuro da combustão.

Alguns modelos como Hyundai HB20 Evolution, Volkswagem Polo, Nivus e Virtus todos da linha Comfortline, além do T-Cross 200, Peugeot 2008 Griffe, Chevrolet Cruze e Cruze Hatch ambos LT, Fiat Toro Endurance e Renault Captur Zen já saem equipados de fábrica com o sistema GDI.

Algumas de suas vantagens são:

  • Economia de combustível por meio da mistura entre ar e combustível com a densidade ideal concentrada em torno da vela de ignição;
  • Menos emissões de CO2 devido a melhor qualidade de queima do combustível;
  • Controle de fluxo de ar ideal no cilindro permitindo maior eficiência;
  • Pistões de topo curvo convexo para aumentar a taxa de compressão;
  • Bomba de combustível de alta pressão para alimentar os injetores.

Na contrapartida, existem alguns pontos que precisam ser considerados. O custo de produção para esse sistema ainda é maior do que do sistema de injeção indireta, o mais comum nos veículos atualmente, tornando-o menos popular na aplicação dos veículos.

Segundo informações de um dos principais fabricantes de bicos injetores, esse sistema exige uma maior especialização dos reparadores e também uma manutenção preventiva mais efetiva para que não ocorram alguns desgastes prematuros ocasionados por problemas de diluição ou evaporação do óleo lubrificante, uma vez que esses motores trabalham com temperaturas mais elevadas do que os motores comuns, além do acúmulo de carbono nos injetores, prejudicando a injeção efetiva do combustível, reduzindo a potência do motor e aumentando então o consumo do combustível, que pode ser etanol ou gasolina.

Para evitar que isso ocorra e o sistema continue desempenhando toda a sua função adequadamente, a PROD orienta o reparador ou o dono do veículo, a sempre manter a manutenção preventiva em dia, de acordo com todas as orientações contidas no manual do veículo e usar periodicamente a cada 5.000km o PROD+ Limpa Sistema de Injeção Flex/Gasolina, específico para motores com tecnologias GDI, podendo ser utilizado em qualquer outro tipo de injeção também.

O PROD+ Limpa Sistema de Injeção Flex/Gasolina proporciona limpeza completa do sistema de injeção e válvulas, restaurando as condições originais de aceleração e potência, além de aprimorar a retomada do motor, com melhor desempenho.

Possui redutor de atrito que aumenta o rendimento e a vida útil do motor, proporcionando um consumo de combustível mais eficiente e econômico, consequentemente, gerando menos emissões de gases poluentes.

Tem um bom rendimento, pois pode ser diluído em até 90 litros de combustível e é indicado para motores que estão com possíveis problemas relacionados a sujeiras no sistema de alimentação causadas por consumo de combustíveis com procedência duvidosa, proporcionando uma limpeza profunda e cuidadosa de todo sistema.

A PROD alerta que aditivo para combustível não é tudo igual, e quando se trata ainda de motores com a tecnologia GDI, ao fazer uso de produtos de baixa qualidade e NÃO ESPECÍFICOS para esse tipo, poderá causar prejuízos acumulativos ao desempenho do veículo.

Para saber mais sobre a atuação da PROD, produtos e serviços, acesse www.prodaditivos.com.br ou siga-nos pelo Instagram @prodaditivos.

Compartilhe