Na Europa, Volvo apresenta caminhão com células de combustível a hidrogênio

Para descarbonizar o transporte, a Volvo Trucks anunciou que pretende, até o final desta década, dispor de uma opção neutra em CO2, com caminhões elétricos a célula de combustível movidas a hidrogênio. A marca já oferece na Europa e nos Estados Unidos caminhões elétricos a bateria.

A combinação de caminhões elétricos a bateria e caminhões elétricos a célula de combustível permitirá que os clientes eliminem completamente as emissões de CO2, independentemente do tipo de operação de transporte.

Essa afirmação é de Roger Alm, presidente da Volvo Trucks, com base nos resultados até agora obtidos pela empresa na Europa e nos Estados Unidos com veículos elétricos a bateria já comercializados pela Volvo Trucks.

Roger Alm declarou que a Volvo já deu início aos testes de caminhões com células de combustível alimentadas por hidrogênio, tecnologia que permite gerar eletricidade e dar autonomia até 1.000 quilômetros, comparável ao que atingem muitos caminhões a diesel, emitindo apenas vapor de água e tempo de reabastecimento inferior a 15 minutos. As duas células de combustível têm a capacidade de gerar 300 kW de eletricidade a bordo.

Roger Alm comentou que os testes com clientes em operações reais começarão em alguns anos. De acordo com informações do departamento de engenharia, os caminhões elétricos movidos a hidrogênio são adequados para longas distâncias e aplicações pesadas e com alta demanda de energia. Eles também podem ser uma opção em países onde as possibilidades de recarga de bateria são ainda limitadas.

A vantagem das células de combustível é o fato de gerar a eletricidade necessária a bordo a partir do hidrogênio, em vez de carregarem as baterias de fontes externas. Em vez de CO2, o único subproduto emitido é vapor de água.

As células de combustível serão fornecidas pela Cellcentric, joint venture entre o Grupo Volvo e a Daimler Truck AG. Para a produção em série de células de combustível, a Cellcentric construirá uma das maiores instalações da Europa para a produção em série de células de combustível, especialmente desenvolvidas para veículos pesados.

Hidrogênio verde

Roger Alm informou que as empresas terão obstáculos a serem vencidos para a implementação da tecnologia de células de combustível para alimentar os motores dos veículos. Um deles é o fornecimento de hidrogênio verde em larga escala, além da infraestrutura de reabastecimento de veículos pesados, que ainda precisa ser desenvolvida.

O executivo acredita que o fornecimento de hidrogênio verde aumente ao longo dos próximos anos, para atender muitas indústrias que desejam reduzir a emissão de CO2. E salienta que não se pode esperar mais para descarbonizar o transporte.

Como sugestão para todas as empresas que atuam no segmento é começar a jornada com os caminhões elétricos já disponíveis. “Em alguns anos, os veículos a células de combustível serão então um complemento importante para rotas mais longas e transportes mais pesados”, finaliza Roger Alm.

Compartilhe