A preciosidade dos dados de mercado para a tomada de decisões estratégicas

Confira de que forma a análise deles pode trazer ótimos resultados para a sua empresa

Para a tomada de decisões, a análise de dados é fundamental para empresas de qualquer tamanho. Porém, não adianta apenas coletar dados, é preciso saber o que se quer com eles e colher somente os dados que serão analisados. Para os varejistas de autopeças transformarem dados em decisões estratégicas, conhecer profundamente os seus números é o primeiro passo, conforme orienta Rogério Capucho, diretor da SPS Group.

Rogério Capucho, diretor da SPS Group

“Nesse cenário de análise, o mapeamento do custeio e custo é fundamental, para que consiga formar preços e identificá-los entre as concorrências do mercado à competitividade da sua oferta. Porém, uma outra forma além do preço é buscar diferenciais na qualidade e tecnologia”, explica.

Ele acrescenta que é importante colocar na balança essas informações do DNA da empresa, mapear o mercado, criando uma análise que afunila e a todo tempo permita olhar o mercado e transformar o processo interno, identificando melhorias. “Em suma, é conhecer bem o seu meio de negócio, formar o seu preço e aglutinar essas informações para criar uma ação mais proativa”.

Clientes e estoque

A análise correta dos dados está diretamente relacionada a uma reposição mais certeira do estoque, conforme explica capucho. “Identificar a necessidade do cliente é colocar na prática a oferta e demanda. Nesse caso, o estoque é vital para que a empresa consiga tomar decisões baseadas nas necessidades dos clientes, assim propondo o estoque de reposição que não haja impacto no fluxo de caixa”.

Capucho destaca a importância do envolvimento da empresa. “Cada atividade possui um processo e quando se tem um alto volume de informações, é necessário organizá-las. Porém, são profissionais diferentes para exercer cada etapa desse processo na construção de indicadores. Então, o conjunto de uma entrega certeira é baseada no conjunto de profissionais multidisciplinares que contribuem para o desempenho da empresa”, conclui.

Orientações

Milton Ribeiro, CEO da SPS Group, destaca cinco pontos para ajudar a utilizar os dados para tomadas de decisões:

Milton Ribeiro, CEO da SPS Group

– Saiba aonde quer chegar: Não adianta apenas coletar dados, sem ter traçado aquilo que está sendo procurado. Por isso, faça uso de KPIs (Key Performance Indicator) que ajudam na visualização do desempenho da empresa, assim como de OKRs (Objectives and Key Results) para fazer um acompanhamento preciso das metas. Ter dashboards e cockpits é fundamental para visualizar as informações de forma rápida, clara e precisa.

– Só colha os dados que vai analisar: O excesso de informações coletadas pode acabar resultando em erros, pois diante de um volume excessivo, muitas vezes, nem todo material será analisado. Por isso, tenha definida a estratégia e colha apenas o que é relevante para a empresa e que, de fato, será utilizado. Ter dados demais, além de tirar o foco do que realmente é importante, pode até gerar confusões.

– Utilize ferramentas: Coletar e interpretar dados é uma tarefa árdua e praticamente impossível de ser executada de forma manual, sem a utilização de sistemas específicos para essa função. Nesse processo, a implementação de softwares de gestão, como ERPs e Business Intelligence, são recursos fundamentais que, além de automatizar essa função, são capazes de emitir relatórios consistentes e em tempo real, reduzindo falhas e aumentando as chances de tomar as melhores decisões na hora certa.

– Analise os dados: Todo o material coletado precisa ser analisado, pois os indicativos, por si só, não sustentam uma boa tomada de decisão. A partir da análise é que se torna possível ter a informação exata de como está o andamento da empresa, e identificar aquilo que precisa ser melhorado. Saber interpretar as informações adequadamente é essencial para garantir o sucesso dessa operação.

– Faça investimentos certeiros: Para que a coleta de dados seja efetiva, a tecnologia é o recurso principal. Entretanto, ao fazer investimentos, tenha em vista a escolha de softwares integrados e auditáveis, que disponham de todas as funções embarcadas, sem a necessidade de contratações adicionais. Dessa forma, além de reduzir custos, a empresa evita o desperdício de esforços e reduz margens de erros.

Compartilhe